Contos Eróticos

Conte-nos alguma experiência.

Deixe sua experiência nos comentários, que serão publicados.

A Vó dele no quarto e eu chupando ele no banheiro

Bom Dia pessoal, Bem esse é meu primeiro conto então resolvi contar um que aconteceu a uns 2 anos, como vocês sabem e está no meu perfil, eu tenho um namorado e nós somos apaixonados por sexo, sempre que dá a gente faz, não importa a hora, o dia e nem o lugar. Uma vez estavamos na casa da avo dele e ela estava dormindo, eram três horas da tarde, ate que ele começou a me beijar e a passar a mão dentro do meu vestido e tentar retirar minha calcinha, ficamos assim por uns 15 minutos, ele já estava de pau duro e eu estava tão molhadinha, que ja estava imaginando aquele pau gostoso dentro de mim. Até que ele teve uma ideia, falou assim: “vai até o banheiro e me espera lá que eu já vou”. Nisso tudo, eu tava de pern bamba já, morrendo de vontade de trepar com ele no sofá da sala mesmo. Cheguei no banheiro, que era do lado da área de serviço, e fiquei lá esperando, doida de vontade de dar pra ele, noossa! já estava doida de vontade. Ai ele bateu na porta e disse:”amor, abre a porta”. E eu mal abri a porta e ele me jogou em cima da pia, puxou minha calcinha e começou a chupar a minha bucetinha, na hora que ele tocou a lingua nela, cheguei a me arrepiar de tão bom… Não contente em só chupar ela e me fazer gozar, ele começou a me chupar e enfiar o dedo dentro dela, nooossa! foi um extase tão grande que já estava na lua.. Não contente em enfiar um dedo, ele começou a colocar o outro, e outro, quando vi, já tinha 4 dedos dentro da minha bucetinha e já tinha gozado três vezes… Ele chupava com tanto gosto, gozei tão gostoso que até esqueci que a qualquer hora alguem podia chegar e nos pegar.. Eu gozei tão gostoso, tão gostoso.. Nunca vou esquecer aquele dia tão gostoso.. Não podia deixar de retribuir ele, depois que eu gozei três vezes, empurrei ele e joguei ele na parede, desci um pouco e comecei a fazer um boquete nele, aquele pau tava tão duro que quase não cabia na minha boca. Eu adoro fazer um boquete pra ele, adoro um bouete, chupar um pau é uma delícia, eu gosto de enfiar até a garganta, nooossa! Enfiei gostoso, ele começou a gemer a se contorcer, e gozou na minha boca inteira, mas não parei de chupar ele, continuei.. Chupei com vontade de novo, só com a boca, sem as mãos, só com a boca, chupava as bolas dele, noossa! que delícia de pau que ele tem, adoro passar a mão, chupar, lamber, morder… Chupei tão gostoso que ele gozou de novo na minha boca, adoro sentir aquele leitinho quente.. huuuuuuuuuuuuuuuuuummm… aaiin.. só de contar dá vontade de novo eim?!.. Pena que alguém chamou no portão e a gente teve que sair, se não eu tinha chupado mais ainda… Beeijos Pessoal ;*

http://www.contoerotico.com/taradinhanumpau

 

Corno Humilhado Churrasco em Casa 

Eu e minha noiva resolvemos fazer um churrasco para amigos e pessoas da empresa em minha casa, sábado a tarde, beira da piscina.
Minha noiva tem Loirinha, cabelos lisos e longos, rosto lindo, seios médios, cinturinha fina, 160m 60kg, coxas grossas, bundinha arrebitada e empinada, pezinhos que eu amo de paixão 35/36.
No dia do churrasco, estava ocupada preparando as coisas na churrasqueira, gelo para babidas, e o pessoal começou a achegar, alguns amigos, em especial o Carlinhos assim como eu tarado por pés, meu tio,safado como sempre e a Julia, recepcionista da empresa, branquinha cabelos pretos, 1,55m, falsa magra, com bundinha e peitinhos redondinhos no auge dos seus 22 aninhos, pezinhos 34 lindos, que vivo babando nos dias que ela vai trabalhar de salto.
Minha noiva foi atender a porta de sainha jeans muito curta, sandália de salto bem alto, tornozeleira no pezinho direito, blusinha de alcinha sem sutiã, um verdadeiro T.
Julia de shortinho jeans, sandália de salto e camisetinha.
Vi por várias vezes o Carlinhos secando minha noiva, que estava realmente um T, Julia conversava animadamente comigo no balcão da churrasqueira, me obrigando a secar aquelas pernas lindas eos pezinhos perfeitos, tanto que dei bandeira e minha esposa viu.

Já mais para o final da tarde, estávamos somente eu , Carlinhos, Julia , minha noiva e meu tio, eis que minha noiva já meio alta pela bebida convida a todos para nadar, quando a Julia diz não ter biquíni, ela prontamente oferece um dela e ambas sobem para se vestir, enquanto ficamos ali bebendo.
Quando elas voltam, meu tio solta um nossa, as duas com biquínis minúsculos, enfiados nas bundas gostosas, com salto alto, deixando ainda mais empinadas.
A Julia para provocar ainda pega minha noiva pela mão e da uma voltinha, arrancando assovios do meu Tio e Carlinhos .. neste clima de brincadeira e descontração continuamos bebendo.. até que minha esposa foi a cozinha fazer mais batida e a Julia quis entrar na piscina, mas não conseguia desamarrar a tira da sandália, na qual achando que minha noiva não estava vendo, me prontifiquei a ajudar e desamarrei e aproveitei para alisar aquele pezinho delicioso dela, até que fui interrompido pela minha noiva me chamando da cozinha.
Quando chego na cozinha, ela toda empinada de salto e biquini fio, fala ríspida, você esta todo assanhado com a Julia, é melhor você parar ou irei aprontar também. Ao escutar ela falar isso, nao consegui disfarçar, meu pau ficou duro na hora, ela percebendo pegou ele e começou alisar por cima da calça, falando olha amor, vi seu tio secando tanto minha bundinha, acho que ele quer comer sua noiva, escutando isso não aguentei e me gozei nas calças, ela por sua vez ria muito e falou, vai tomar um banho, te espero lá fora.
Enquanto estávamos lá dentro a Julia foi para o vestiário com o Carlinhos e se trancaram lá, só quando eu terminei meu banho vejo eles se despedindo da minha esposa e saindo, ficando ela e meu tio na piscina.
Da cozinha vejo minha amada noivinha mamando um caralho enorme do meu tio, ela já sem a parte de cima do biquini, não aguento de tanto T, e começo a me masturbar ali mesmo vendo aquela cena que sempre sonhei, até que minha noiva vê e me chama, mandando que me aproximar, assim que saio da cozinha escuto a Julia falando para sentar-me junto dela em uma espreguiçadeira, quase morro de vergonha mas vou, e assim que me sento escuto ela dizer, nossa , tudo isso é T em ser corno e cai na risada.
Ficamos olhando meu tio foder minha noiva como um cachorro fode uma cadela no cio, forte judiando dela, quando ela se apoia na escada, ela grita de dor, eu pergunto o que esta acontecendo e ela quase chorando fala que ele esta arregaçando seu cuzinho, cuzinho este que sempre pedi e ela nunca me deu.
Quando penso em bravejar, sinto o pezinho da Julia alisando meu pau que esta muito duro, e com o outro pezinho ela leva na minha boca e me manda lamber, não aguento e começo a lamber aquele pezinho vendo minha noiva ser deflorada pelo meu tio, que acaba gozando tudo dentro do cuzinho dela, vendo esta cena não aguento e gozo lambendo os pezinhos da Julia, que esta filmando e me confessa que pouco antes o Carlinhos esporrou tudo nos pezinhos dela e eu estava limpando. Confesso que senti nojo, mas na hora o T falou mais alto e gozei forte.
Espero que gostem, me perdoem a forma de escrever, mas é muita informação, e tentei ser o mais sucinto possível.

http://www.contoerotico.com.br/contos/corno-humilhado-churrasco-em-casa/

Aliviando os funcionários

Apesar das minhas insistências em usar preservativo, o Sr. França conseguiu mexer tanto com a minha cabeça que acabei deixando ele enfiar um pouco em mim, sem camisinha mesmo. Eu sabia que aquilo era errado, mas perdi minhas forças quando ele começou a bombar minha buceta de baixo pra cima.

Então me soltei e deixei ele enfiar tudo, até o talo. Gememos juntos na hora. Deus do céuuuuu!!! O pau dele entrou rasgando, me deixando toda preenchida com aquela rola enorme. Doeu um pouco, mas logo dei até uma rebolada gostosa nele e comecei a cavalgar mais rápido.

- Ohhhhhh… que pau gostosooooooo… mete, Sr. Françaaaaaa… mete nessa bucetaaaaaaa… meteeeeeeee… meu marido vai gostar de saber que gozei nesse pauuuu…. igual uma putaaaaa… meu deusssssss… ahhhhhh…!! – gemi deliciosamente e comecei a falar essas besteiras, olhando bem nos olhos daquele negro safado e pauzudo.

O Sr. França gostou de me ouvir falar isso e me segurou firme pelas nádegas. Agora as mãos dele me ajudavam a subir e descer em seu pau enorme e escorregadio. Meu gemidos foram ficando mais altos e o inevitável aconteceu.

Vou gozarrrrrr… vou gozarrrrrr… meu deussssssss… não paraaaaaa… não paraaaaaaaa…!! – soltei uns gritinhos e comecei a me tremer toda. Um arrepio percorreu minha espinha e fechei os olhos. Gemi gostoso ao gozar na pica do Sr. França.

Enquanto eu gozava, cheguei até a esquecer do meu marido. Naquele momento eu era a mulherzinha do Sr. França, a taradinha dele, a puta safadinha que queria aquela pica pretona toda dentro de mim.
- Ahhhhhhhh… que deliciaaaaaaaaaa… nunca gozei tão gostoso… goza também… goza… goza dentro de mim… – falei tentando recuperar meu fôlego.

Nem precisei falar duas vezes. O Sr. França me abraçou forte, deu umas cinco bombadas bem fundas e começou a gozar dentro de mim. Ele quase urrava de tesão, enquanto eu sentia o corpo dele tremer e jorrar aquele esperma quentinho dentro da minha buceta. A cada espasmo que ele tinha mais porra saía daquele pau cabeçudo.

Fiquei abraçada com ele até ele eliminar tudo que tinha de porra. Eu sentia minha buceta toda lambuzada de esperma. Depois de alguns segundos eu fui saindo de cima dele lentamente. Quando tirei o cacete dele de dentro de mim, uma grande quantidade de esperma saiu junto, derramando sobre sua barriga e escorrendo pelas minhas coxas.

Ele ficou olhando e falou:

ossaaa!… Há quanto tempo eu não dava uma trepada destas! Ainda mais com uma gostosa como você, loirinha!! Só tenho pegado coroas ultimamente… você ainda está bem apertadinha… vamos ter que dar um jeito nisso até a hora de irmos embora!

Eu olhei pra ele sorrindo, e ele continuou, todo safado:
- Sabe, você não é a única casada branca que dá pra gente… aqui perto de vocês tem um casal, uma ruiva… ela dá para a peãozada sempre, mas com o marido vendo.

Ela é bem bonita também! – ele continuou. – Mas não tanto quanto você, dona Vivian! Sempre quando somos contratamos por gente como vocês, brancos, no começo vocês nos olham com nojo e desprezo, mas depois que mostramos nossa força e o tamanho das nossas gebas, vocês ficam doidinhas, é sempre assim!

Na hora eu não acreditei muito, e achei que o Sr. França só estava tentando me impressionar. Mas nem precisava. Depois de gozar naquela pica preta, eu ia dar pra ele sempre que ele quisesse. Bastaria ele estalar os dedos.

Ele se levantou e ficou olhando meu corpo. Me virei de bruços pra ele me admirar um pouco mais. Ele então se vestiu e, quando passou por mim, abriu minha bunda e olhou como estava a minha boceta.
- Aí sim, hein!! Olha meu leitinho saindo aqui! Que maravilha! – ele falou e me senti totalmente depravada.

Depois de abrir minha bunda e ficar vendo seu esperma saindo de dentro da minha buceta, o Sr. França finalmente deu um beijo no meu bumbum e saiu.
- Pede para o Beto entrar… quero ver se ele é tão bom quanto o senhor! – falei e o Sr. França saiu todo sorridente.

O Beto entrou no quarto e eu ainda estava na mesma posição, deitada de bruços e com as pernas levemente abertas. Ele se sentou na cama, abriu bem minha bunda e ficou olhando para a minha bucetinha. Com certeza ainda devia estar inchadinha da surra de pica do Sr. França.

Depois de beijar minhas costas e meu bumbum, o Beto pegou na minha cintura e levantou um pouco o meu quadril:
- Mas que coisa linda!… Que gostosaaa!! Gostou da rola preta, dona Vivian?! Agora é que você vai se apaixonar por pica preta mesmo!

Com meu quadril levantado e bunda bem empinadinha, o Beto se posicionou atrás de mim, colocou a cabeça da rola na entrada da minha buceta e foi enfiando lentamente. À medida que a pica ia entrando ele ia soltando o peso, até ficar deitado em cima de mim.

- Ahhhhhhhhhhh… seu safadooooooo… queria me comer, não queriaaaa???… então come agora, Betoooooo… come a mulherzinha do patrão… come, safadoooooo… seu taradoooooooo…!! – gemi e falei, enquanto ele enfiava bem fundo na minha prexequinha apertadinha.

- Sim… minha delíciaaaaaaa… eu estava morrendo de vontade de te foder, putinha gostosaaaaaaa… você gosta de uma rola preta, não gosta?… eu sabia que você queria dar pra mim, dona Vivian…!! – o safado falava no pé do meu ouvido e eu me tremia todinha.

Nossaaaaaaaa!! Nunca imaginei que dar para o Beto ia ser tão gostoso. Todos os pelinhos do meu corpo estavam arrepiados e eu gemia como uma gatinha no cio, sentindo o bafo de cachaça dele na minha nuca e aquela pica deliciosa entrando em mim cada vez mais fundo.

Logo ele pediu para eu pegar o travesseiro do meu marido e colocar embaixo do meu quadril, para me acomodar melhor. Fiz o que ele pediu e me posicionei melhor também. Continuei de bruços, mas meio de ladinho, e ele subiu em cima de mim novamente.

Soltei um grito quando ele me penetrou novamente, mais fundo ainda. O pau dele entrava apertado, e só estava entrando fácil por causa da porra do Sr. França, que funcionava como um lubrificante.
- Betoooooo… devagarrrrr… está indo muito fundoooooo… dói…! – falei, mas ele pareceu não ouvir.

Ele continuou metendo como um animal, me agarrando fortemente, beijando minha nuca e falando umas putarias no meu ouvido. Meu deusssssss!!! Fechei os olhos e me preparei para gozar novamente. Mas ele não deixou. Uma enfiada bem funda encostou no meu útero e a dor foi terrível.

- Aiiiiiiiiiiii… meu deusssssss… não vai tão fundooooooo… chegaaaaa… por favor… está doendoooooooo, Betooooooo!!… – falei e tentei tirá-lo de cima de mim.
Ele não deixou eu sair. Em vez disso me segurou firme, cruzando as pernas dele às minhas.

- Foi no útero, foi???… fala que encostei no seu útero, loirinhaaaa… é aqui que vou gozarrrr… bem na portinha do útero… nunca sentiu até aqui, né?… por isso não engravida, dona Vivian! – o safado falou e fiz um “não” com a cabeça.

- Então goza, Betooooooooo… goza bem dentro mesmo… goza bem dentro da minha bucetaaaaaa… safadooooooo… cachorro safadoooooooo… come a sua cadelinhaaaaaa… come a cachorrinha do patrãooooooo…!! – gemi desesperada e o provoquei ainda mais.

Meu deusssss!! Ele começou a socar em mim, sem dó. Com uma mão ele tocava nos meus seios, e mordia e lambia o meu pescoço. Logo comecei a gemer muito e cada vez mais alto. Os dois garotos não aguentaram esperar na sala e entraram no quarto também.

Que loucuraaaaa!! Agora o Beto ia me foder de verdade mesmo. Ele não ia querer fazer feio na frente dos dois garotos. O Adilson e o Pedrinho já estavam nus e se masturbando de leve. Suas picas estavam enormes, doidos para meterem em mim também. Eles se sentaram na cama e ficaram me vendo foder com o Beto.

Transar na frente de outras pessoas era uma coisa que eu nunca tinha feito. E meu tesão foi às alturas. O Beto me segurou com força e metia com tudo. Eu nunca tinha transado com tanta intensidade assim, e cheguei a um orgasmo incrível, soltando gritinhos de tesão e tremidinhas por todo o meu corpo.

Gozei deliciosamente, falando umas putarias que eu nunca tinha falado nem para o meu marido. Os garotos riam, parabenizando o Beto:
- Aí, Betão! Detonando a patroa, heim?… goza nessa vadia agora, cara!!.. Faz um filho nessa aí também!

Confesso que eu senti um tesão enorme ouvindo aquilo. Rebolei meu corpo o máximo que pude e o Beto começou a acelerar as enfiadas e logo anunciou que iria gozar. Ele me mandou olhar pra ele e responder se eu queria dentro ou fora.

- Fala, gostosa… vou gozar na entradinha do seu útero… quer dentro, quer? – ele me perguntou, olhando bem nos meus olhos.
Que loucura!!!! Eu, hipnotizada de tesão, fiz um “sim” com a cabeça.
- Fala alto, loirinha!!! Quer que eu goze dentro? – ele insistiu.

- Sim…, pode gozar dentro de mim! Eu quero que me esporre toda! Deixa minha buceta cheia da sua porraaaaaaa… safadoooooo!! – gritei sem qualquer pudor.
Ele acelerou e começou a gemer, me abraçou com força e o seu corpo tremia.

Foi uma sensação incrível. Eu sentia seu enorme pênis pulsando dentro de mim, seu líquido quente esguichando bem na entrada do meu útero mesmo. Olhei para os garotos, que me olhavam sorrindo e se masturbando. O Beto ainda metia em mim devagar, colocando tudo que tinha dentro da minha buceta.

Depois de gozar o Beto ficou deitado em cima de mim, abraçado comigo.
- Então, loira? Como é dar pra um negão, heim?! Mostra para o patrão como ficou!… – ele falou, todo safado.
Em seguida ele deu uns beijos no meu pescoço e, virando meu rosto, me beijou na boca, de língua.

Nessa hora os dois garotos vibraram com a cena. Enquanto estava me beijando, o Beto foi se levantando e seu pau foi saindo de dentro da minha buceta, lentamente. Quando ele tirou tudo eu senti sair uma coisa quente de mim. Era a porra dele escorrendo para fora, melando minhas coxas.

Muito safado, o Beto me segurou pela cintura e foi me puxando pra cima, até eu ficar de quatro. Ele deu uns quatro tapas bem fortes na minha bunda e disse:
- Ah, que coisa linda!! Sujou o travesseiro do patrão, heim? Ele vai ter que dormir com a cabeça no molhado!

Não falei nada. Apenas olhei por debaixo do meu corpo para ver os últimos pingos de porra que desciam pela minha porra. E foi nessa hora que um dos garotos, o Adilson, já se posicionou atrás de mim.
- Nãoooooooo… por favor… espera só um pouquinho, Adilson… estou muito cansadaaaa!! – falei, olhando para ele por cima do ombro.

- Eu não estou aguentando mais, dona Vivian!! Vai ser rápido! – ele falou e me segurou firme pelo quadril. De quatro, tentei me empinar o máximo possível, me apoiando nos meus cotovelos.
- Ohhhhhhhhhhhh… devagarrrrrrr… mete devagarrrrrr…!! – gemi quando o pau do Adilson entrou deslizando na minha buceta.

Ele estava com tanto tesão que não me comeu nem uns 5 minutos. Gemendo como um louco, o Adilson beijava minha nuca e me abraçava forte, enfiando e tirando a pica em um rítmo acelerado. Logo ele gozou bastante também. O pau dele cuspiu porra quentinha dentro de mim e me fez ficar toda arrepiada.

- Quero ela de frente…!! – o filho do Sr. França, o Pedrinho, disse quando o Adilson finalmente me soltou.
Saí da posição de quatro e me deitei de barriga para cima, com as pernas bem abertas. Nossaaaaaaa!! Nessa posição eu estava totalmente escancarada.

O Beto segurou uma de minhas pernas e o Adilson segurou a outra. O Pedrinho não quis perder tempo. Se deitou em cima de mim e enfiou tudo. Soltei um grito quando a pica dele encaixou todinha na minha xoxota. Quando ele me penetrou e começou a bombar, fazia bastante barulho na minha buceta, devido à quantidade de porra que estava dentro nela.

Para minha sorte, o Pedrinho não demorou muito. Foi igual ao Adilson, bem rápido, e quando ele gozou nós dois gemíamos bastante. Quando terminou de gozar, o Pedrinho me pediu um beijo na boca e eu dei. Beijei a boca dele carinhosamente, chupando seus lábios e deixando sua língua brincar com a minha.

Quando o Pedrinho finalmente afastou sua boca da minha, me esparramei na cama, muito cansada e tonta. O Beto e o Adilson já tinham soltado minhas pernas e estavam vestindo suas cuecas.
- Eiiiiiii… o que é…?!?!? – me assustei quando o Sr. França chegou de repente e começou a passar a cabeça da rola nos meus lábios.

- Chupa, loirinha… chupa até eu gozar nessa boquinha linda!! – o Sr. França falou e os outros três riram à vontade.
Nossaaaaaaaa!! A pica dele já estava dura e enorme novamente. Por um segundo pensei nas minhas opções. Se eu não chupasse a pica dele, ele ia meter em mim novamente. E minha buceta estava muito dolorida.

Abri a boca e engoli a rola do Sr. França. Ele gemia deliciosamente e me chamava de um monte de nomes que nem me lembro. Enquanto isso o Beto falou:

- Vocês são todas iguais, dona Vivian! Se casam com os brancos pelo dinheiro, mas rola mesmo, gostam é de negão! Mostra pro seu marido como você ficou… e, se ele quiser ver, da próxima vez a gente deixa. Os outros maridos sempre gostam de ver a peãozada mandando ver nas esposinhas deles!

O Beto mal terminou de dizer isso e o Sr. França gozou na minha boca. Fiz cara de que ia cuspir mas ele me segurou e me forçou a engolir tudo. Muito fraca eu nem protestei. Engoli tudinho e ainda chupei os últimos pingos de esperma que saiam da cabeçona da rola dele.

Finalmente eles terminaram de se vestir, pegaram suas coisas e saíram. Fiquei deitada um pouco para me recuperar, pensando no que tinha acabado de acontecer. Olhei para a nossa cama, a mesma cama que eu dormia com o meu marido, e na qual eu tinha acabado de dar para quatro machos safados.

Peguei o travesseiro do meu marido e vi que ele tinha uma marca enorme de porra, que tinha saído da minha boceta. Na hora imaginei meu marido com a cabeça naquele travesseiro, cheirando a porra dos peões enquanto dormia. Que loucura!!!

Peguei meu celular e mandei uma mensagem para o Felipe:
- Amor, acabou! Vem logo… beijo!
Liguei a TV e fiquei esperando ele na cama mesmo, ainda nua e sem me limpar.

Quando ele chegou, ele foi direto para a cozinha. Me enrolei na toalha e fui ao seu encontro. Ao andar eu sentia mais esperma descendo pelas minhas pernas. Meu marido estava sentado tomando água, e parecia bem bêbado.

- E então, Ví? Como foi? – ele perguntou, fazendo cara de poucos amigos.
Parei na frente dele, me virei de costas, abri um pouco as minhas pernas e falei:
- Amor, não deu pra segurá-los… olha o que fizeram comigo!
Ele levantou a toalha e eu me empinei um pouco.

O Felipe suspirou na hora e soltou um gemido de tesão quando viu minha buceta vazando esperma. Ele parecia sem ar. Deixei cair toda a toalha, me virei pra ele, e dei-lhe um beijo na boca, bem apaixonado. Fiquei em pé na sua frente, esperando sua reação.

Ele olhou mais um tempo a minha boceta e foi subindo o olhar até os meus seios, que estavam vermelhos das chupadas do Sr. França. Olhei para eles também e o olhei nos olhos, sorrindo. Em seguida peguei sua mão e o puxei para o quarto.

- Vem, amor! Vem ver mais de perto… vou cuidar de você agora! – falei.
Ele nem falava nada. Eu fui andando na sua frente de forma bem sensual, rebolando suavemente minha bundinha carnuda e arrebitada. Me deitei na cama, falei pra ele se deitar de barriga pra cima. Então fiquei de quatro e comecei a chupá-lo deliciosamente.

Meu marido soltou gemidos de prazer ao sentir minha boca quentinha na sua pica já completamente dura. Fui virando minha bunda para que ele pudesse ver minha boceta inchadinha e melecada. Ele abriu minha bunda e eu me arreganhei mais.

Logo ele enfiou um dedo em mim e começou a me masturbar. Nossaaaa!! Fazia bastante barulho por causa dos movimentos dos dedos dele e o esperma dos rapazes.
- Amor, tira tudo daí… eles me encheram de porraaaaa… limpa tudo, limpa!… – falei para o Felipe, toda dengosa.

Ele acelerou os movimentos e quase gozei em seus dedos. Mudei a posição das pernas para que minha boceta ficasse de frente para o rosto dele, e deixei minha xana bem próxima do seu rosto. Ele devia estar sentindo o forte cheiro das esporradas dos rapazes.

- Amor, está vendo o que eles fizeram? Você tem que limpar agora!! – falei e fui descendo a minha boceta toda melecada até a sua boca. Ele deu um beijo na entradinha dela. Hummmmmmm!! Soltei um gemido e me abaixei mais.

Ele enfiou um pouco a língua dentro e começou a chupar. Eu gemia bastante e quase não conseguia chupá-lo também. Eu sentia muito tesão de estar sendo chupada pelo meu marido depois que quatro homens tinham gozado em mim. Era a primeira vez que eu sentia isso e logo cheguei ao orgasmo.

Ele parou de me chupar e só lambia a entrada da minha xoxotinha. Voltei a chupá-lo agora com tudo, e rapidamente ele gozou na minha boca. Engoli tudo e fiquei mamando até sair todo o restinho. Depois saí de cima dele, me deitei ao seu lado, olhei pra minha buceta e falei:

- Amor, você deixou ela bem limpinha, hein?
Beijei-o na boca novamente, misturando o seu esperma da minha boca com o que estava na boca dele. Foi lindo. Quando acabamos, falei pra ele:
- Amor, eles deixam você ver da próxima vez… você quer ver? Vai ser no Natal, ok?!

Ele concordou. Era 21 de dezembro, e a próximo foda com o peões aconteceria na noite do dia 24 para 25, na presença do meu marido. Nos levantamos e fomos tomar banho juntos. Nos beijamos muito e ele me lavou toda. Quando voltamos ao quarto ele tentou de todas as formas me comer. Mas eu não dei. Minha buceta já estava reservada para os quatro peões.

http://www.estoriasdesexo.com.br

 

2 respostas a Contos Eróticos

  1. Moderador disse:

    Achei essa ai Admin .

    Matando Minha Vontade

    Meu nome é Hingrid, nasci e cresci no interior de São Paulo, moro por estas bandas até hoje. Atualmente, estou solteira, mas há algum tempo atrás aconteceu algo inesperado entre eu e um primo meio distante, mas cada vez que nos encontrávamos me comia literalmente com os olhos e me deixava fervendo de tesão! Por puro capricho, eu sempre gostei de provocá-lo.

    Entre tantas provocações finalmente nos entregamos a todo esse desejo e passamos uma noite maravilhosa que ficou com gosto de quero mais!

    Passaram-se alguns meses e finalmente apareceu nova oportunidade de vê-lo, era aniversario dele e em meio a vários convites afirmei que não poderia ir por inúmeros motivos.

    Mas como a vida tem dessas coisas, apareceu uma carona e lá fui eu para sua cidade dele sem comentar nada sobre a surpresa que eu estaria fazendo. Confesso que cada vez que lembrava nele no trajeto da viagem minhas pernas ficavam bambas, o coração acelerava, as mãos suavam e a vontade de senti-lo só aumentava.

    Chegando lá na festa o Lucas não estava, mas logo quando o vi chegar, nossos olhares se cruzaram e a vontade era imensa de que não tivesse mais ninguém ali. Disfarçando ou pelo menos tentávamos disfarçar, ficamos assim quase a noite toda, mas o desejo falou mais alto e não deu pra ser diferente, acabamos a noite juntos novamente!

    Fomos para o motel, no carro dele nós trocávamos beijos, carícias, sentindo todo corpo tremendo de desejo, tesão,carinho, algo muito forte e muuito bom!!!

    Mal entramos no quarto e a vontade era tanta que ate agora não lembro como me desvencilhei de minhas roupas e ele das dele. Que delicia sentir seu calor, suas mãos percorrendo meu corpo todo, seu pau em brasa me rasgando, minha bucetinha melada de tesão e eu pedindo para ele me foder gostoso.

    Quanto mais eu pedia, mas ele me estocava fundo e num ritmo alucinado gozei feito louca no pau do meu macho…(assim que eu o chamo)rsrss… e ele me encheu com sua porra quente!

    Logo depois de um banho começamos a brincadeira novamente… E eu queria sentir ele todinho na minha boca, ahh como eu desejava isso.

    Comecei beijando, lambendo sua virilha, chupando suas bolas, acariciando “meu menino” (como chamo aquele pau enorme), esfregava na cara, nos seios e louca de vontade engoli ele todo… Aahh que delicia ver a cara de tarado do meu macho me olhando assim; chupando, sugando seu mastro todinho com minha boca gulosa… Sentir ele socando fundo na minha garganta, com força, batendo na minha cara, e eu engasgando com sua vara enorme na minha garganta, quase enlouqueci de tesão, quanto mais ele socava, eu engasgava e queria mais!

    Já não me aguentando mais, me virei maliciosamente e fiquei de quatro pedindo pra ele foder meu cuzinho (desde nossa primeira vez eu fiquei viciada na prática do Sexo Anal com ele) Ele começou a penetrar bem devagar, sentindo cada centímetro daquele pau (enorme) me rasgando o cu, e eu gemia de tesão e queria mais e pedia mais…

    Eu enlouquecia de desejo, gozo e orgasmo, quando ele me dava chupadas, lambidas, dedadas , metidas e violentas socadas no meu rabinho… Ai que noite deliciosa foi aquela!

    Dormimos umas duas horas apenas, e ao acordar todo aquele fogo ardia em brasa dentro de nós e nossos corpos pediam mais, e novamente nos perdemos um no outro.

    Fiquei com seu cheiro impregnado em mim e a vontade de te-lo ainda me queima as entranhas deliciosamente…

    Essa foi uma experiência mais que inesquecível para mim, adoro ter Meu Macho me dominando!

    Gostaram da minha aventura? Já fizeram algo parecido? Deixe seu comentário aí embaixo, estou doido para saber o que acharam!

    Beijos e até a próxima!
    Aprendiz de Feiticeira

    Gostou? Deixe seu comentário aí embaixo, você faria o mesmo? Teria algum medo na hora? Já teve alguma coisa parecida, mande pra gente que nós contamos sua história!

  2. Major thankies for the blog article.Thanks Again. Want more.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>